Jacqueline Batista: Quando na madrugada errante me...

Quando na madrugada errante me desnudasse o sonho
Compreendi o lirismo do tempo presente
Entreguei-me sem pudores as horas que,
Como companheiras, pararam em harmonia
E quase que abandonadas tilintavam em doce melodia
Da rósea aurora
Num vôo imaginário de ilusões férteis
Caí no vazio e dancei com o vento
Livre de amarras e fios
Em um segundo viajei no tempo
Abriguei meus doces pensamentos
Bem longe da minha realidade
Que, como a vermelha flor
Desabrocha em mais um nascer do dia em verdade.

Inserida por JacquelineBatista