Baby: Sabes, quando acordei, abri a janela...

Sabes, quando acordei, abri a janela para deixar entrar o sol na minha vida mas, lá fora, estava nevoeiro. As árvores do jardim deixaram-se despir, numa calma timidez, pelo vento... folha a folha as suas recordações foram levadas para não mais voltarem. As árvores ficaram lá paradas no tempo. Eu fiquei imóvel, a bafejar o vidro da janela, numa esperança de te ver chegar ao fundo da rua, de te ter dentro do meu pensamento. Não tenho nada a dizer-te, nada mais para além do meu silêncio.

Cansei-me de tentar estar sempre presente na tua vida, ainda que teimes em expulsar-me dela. Cansei-me de todas as tentativas que fiz para te compreender e ainda assim, após tanto tempo, não compreendo a razão de te isolares de mim, deixando-me à margem dos teus dias... Como se isso tornasse a tua vida mais fácil de viver. Simplesmente cansei-me!

Certamente, hoje, não preciso de saber quem sou neste momento. Preciso mais de ter a certeza de saber quem serei depois da minha partida. Não que eu tencione ir para longe de onde estou agora. Apenas vou ausentar-me de ti sem dar qualquer explicação para tal. Estou cansada demais para tentar, mais uma vez, lutar por uma amizade. E como eu preciso da tua amizade... mas assim não suporto mais, isso está a fazer-me mal.

Quem sabe, um dia, num futuro próximo, tu te encontres contigo mesmo e aches as respostas que eu não tive para te compreender. Quando isso acontecer procura-me sem qualquer receio de mim. Procura-me quando precisares, estou exactamente no mesmo sitio onde me deixaste!

Inserida por babyy.iury