Camila Fernandes de Oliveira: A mágoa pela qual me culpo e todos os...

A mágoa pela qual me culpo e todos os meus ódios são meus companheiros na expectação de entorpecentes e dolorosos lapsos de medo, simultâneos às minhas duas eternas guerras. Bem sei eu que é pior a de dentro, aquela que cria todos os monstros materializados em pessoas perversas num paradoxal mundo que me anseia o choro e me proíbe o mesmo. Me sobrevem um cansaço esmagador por tudo aquilo que não fiz ainda ou de que sou incapaz. Amar-te é para mim tão incômodo quanto um cisco teimoso na menina dos olhos, mais insano que cuspir para o alto e ainda mais horrendo do que todas as mentiras. E o que me aflige é saber que hoje, te amar é a minha única verdade.
Ainda que sob a proteção de telhas, tudo aquí se encontra frio e úmido, n'algum tom de verde. Mesmo o caderno a quem confesso, manteve em suas folhas uma preguiçosa e irritante umidade seguida de um cheiro de tinta. Existe um frio que me acorrenta a casa, e uma chuva tão fininha e 'significante', duradoura como ela só. Parecendo tentar dizer que é capaz de dominar situações, influenciar comportamentos, ditar a moda e comprovar minha impotência. Trazendo a lição de que; pouca força aliada a constância podem ser de grande valia. Essa chuva, é como o amor. Quanto às paixões? São só tempestádes voláteis.
O vento hoje triplica sua força como se me dissesse; sei cantar sozinho, e que no máximo se utiliza de mim como um instrumento descartável e dependente. Preciso de seu ar pra soar na voz o que por covardia nunca direi.
Que há amores impossíveis, sim, percebí. Mas se o simples fato de te olhar me faz sentir timidez, medo, frio e calor num estupor que nem me afeta, tal a intensidade do êxtase que me corrói os neurônios. Penso. Logo, desisto.
Porém não me é mais impossível sentir. Por causa dessa má-magia, vc me aparenta perfeição maior a cada dia. Se eu sentí e sinto, o improvável não é mais impossível, visto que deturpa meus instintos e muda meus pensamentos. O meu bem e mesmo mal é justamente essa infinita mutação. Essa facilidade de ser influenciada que preferia não possuir, não me apresento tão vulnerável assim, somente sofro impactos de mudança pelo que me atrai profundamente. Como o que me aquece no frio, e faz com que eu , de face ruborizada, anseie sair de casa num dia cinza. Querendo apenas observar distante alguém para quem pareço invisível. Me preocupar com quem não se lembra de mim nem nas mais altas e clamadas súplicas de meus sonhos-pesadelos. Tenho vontade de te odiar, pequena lástima. E não consigo.

Inserida por ccaamilaa