Bruno Henirque: O Nadador, a Corda e o Helicóptero Eu...

O Nadador, a Corda e o Helicóptero

Eu to num mar de águas calma, águas claras e limpas. Eu to num mar sem peixes, sem tubarões ou golfinhos. De onde estou eu consigo ver todos os meus sonhos traçando a linha do horizonte. Todos eles a alguns sacrifícios de distância, na verdade até menos, são a apenas alguns esforços. Eu só não sei em que direção nadar, não sei nem quais são os meus sonhos, eles todos são bem interessantes, então eu não me importo de realizar um sono q eu nem sei de quem é. Então eu simplesmente começo a nadar e sempre vejo aos meus lados as mãos que sempre me apoiaram, mesmo quando nós tínhamos o nosso chão em baixo de nós, e agora que nós não temos, essas mãos continuam a me apoiar. Aos poucos eu encontrei outras mãos, outros amigos, outros grupos, e fui vendo esses novos amigos compartilhando dos meus sonhos e seguindo seus caminhos, mas não me desliguei de nenhum, estávamos sempre ligados pela corda da amizade. Na maioria das vezes essa corda fica mais forte e mais grossa com o tempo.
Acima de mim o sol não brilha e a lua não demonstra seu esplendor, o tempo não está, nem bom, não está escuro, mas há pouca claridade. Eu posso ver tudo ao meu redor, mas sinto que não há nada pra ser visto. Eu tento visitar a única área que ainda não conheço, mas nesse momento a correnteza se volta contra mim. E então minha vida continua, ela vai passando, às vezes sem eu ver, e de repente as mãos que sempre estavam me ajudando continuavam lá, mas dessa vez eram como pessoas se afogando, e como eu estava nadando, elas se agarraram em mim, estão me sufocando. Me sufo...
Eu preciso dos meus amigos, dos meus sonhos, e aquelas mãos me afogando, antes eram apoios, agora são barreiras. Eu não consigo ultrapassá-las. Eu poderia tentar passar por baixo delas, mas será que eu consigo voltar, depois de ir tão baixo? Eu estou afundando, mesmo sem saber se consigo.
Agora eu preciso de mais do que alguém que quebre as barreiras, preciso que alguém venha de helicóptero e me jogue uma corda, e tenha paciência o suficiente pra esperar eu me segurar, e depois me leve pra longe, bem longe. E como agradecimento essa pessoa terá de mim o que quiser. Poderá ter bons momentos sem nada pra fazer, sem nada pra se preocupar, é só o céu acima e o mar abaixo, seguindo o horizonte. Agora sim, com tudo o que há pra ser visto, sem ninguém que possa nos afogar, visitando as mais belas paisagens dos nossos amigos. É isso pelo que eu estou esperando. Esperando. Esperando...

Inserida por Atrito7