Luiz angelo vilela tannus: A M A N T E S Corpos desnudos,...

A M A N T E S

Corpos desnudos, pensamentos de lascívia,
Almas candentes, desprezando a solidão.
Amantes rudes na alcova permissiva,
Cheiram a suor sob os lençóis da inquietação.

Sol já se pôs, caiu solene o véu da noite,
Ambos molhados sobre a cama incandescente.
Lá fora é frio, madrugada traz açoite,
Corpos sedentos, excitados e carentes.

Insinuantes, tal riacho em curva mansa,
Beijos profundos, sofregando de emoção.
Mais uma noite, e os amantes não se cansam,
Pois a luxúria lhes embala o coração.

Mas o destino tem também os seus caprichos,
Aos mais incautos, sempre é bom se prevenir;
Achou por bem deixar um deles aos suplícios,
Levando o outro a triste sina por trair.

Pois o marido, ao confirmar a anomalia,
Num gesto insano de angústia e morbidez,
Matou o amante e se matou, por ironia,
Deixando à amante, a dupla dor da viuvez.

Inserida por luanvita