Ednei Fagundes: Fome Moro na favela, Cinco de julho,...

Fome

Moro na favela,
Cinco de julho,
Não tenho inveja de nada
E nem um pouco de orgulho.

Só quero uma vida digna,
Para ofertar a meus filhos,
Assim não vão para o mundo do crime
E sim caminhar nos bons trilhos.

Me corta o coração,
Quando minha filha estende a mão
Querendo algo pra comer,
E nem tenho um pedaço de pão.

Quando a fome se aproxima,
É então que fico calado,
Entro em desespero,
Mas não fico igual à um abobado.

Vejo meus vizinhos
Almoçando e se alimentando
E eu pobre inútil
Caido e quase parando.

Assim eu não aguento
Me ponho a chorar
Tristeza
Tristeza de não se acabar.

É, mas esta história
Não termina com o final feliz
Como os contos de fadas,
E sim termina com a sentença de um juiz.

Só fica o sonho
De tudo mudar
De ter um emprego
Pra me ajeitar.

E aqui eu continuo
Sem trabalhar
Com fome a passar
E ter que esperar um emprego chegar.

Inserida por 88529813