Maria Alice Guimarães: PASSAGENS SECRETAS Quantas vezes a gente...

PASSAGENS SECRETAS

Quantas vezes a gente jura de pés juntos que não vai mais cometer o mesmo erro.
“Desta vez tenho certeza de que aprendi a lição”. Nunca mais vou cair nesta armadilha. Prefiro morrer. Se me virem andar em direção a este cara, por favor, me amarrem, chamem o resgate, me internem numa clínica de loucos, pois estou fora da casinha. Nem mais um segundo, terminou, não volto atrás de jeito nenhum.
Ledo engano, mocinha, amor não se mata com este tipo de veneno, nem mesmo com o veneno que o outro inoculou nas suas veias sem dó nem piedade. O amor é como aqueles monstros extraterrestres de filmes americanos; só morre quando se acha o ponto vulnerável, o calcanhar de Aquiles do bichinho feio. E nem assim dá certo, fica sempre uma fresta, uma gota de sangue, um punhado de cinzas, sementes para que o seriado continue quando o etezinho ressurge mais malvado do que nunca.
Depois que passa a sensação deixada pelo choque térmico vem a recaída. A bomba que você pensava ter desativado aparece bem ali, na sua frente mais ameaçadora do que nunca, prestes a mandar você para o espaço. Começa o filme novamente e você conhece o roteiro e o final. Sabe que vai terminar como sempre, mas a necessidade de adrenalina vence as suas resistências e você vai e corre todos os riscos outra vez .
Quem sabe desta agora dá certo? Quem sabe ele mudou, amadureceu, fez um cursinho de boas maneiras? Sapo vira príncipe, não vira? Ta lá nas histórias infantis e se não fosse verdade a vovó não teria me contado. Vó não mente, mas você já sabe que está mentindo para si mesma, mesmo assim se abriga nos braços da esperança, esquece o juramento, as lágrimas roladas, dispensa os serviços do resgate e nem se lembra que existe hospício. Cai nos braços do patife e se consome na paixão, se esvai em orgasmos alucinantes, acredita nas promessas tantas vezes descumpridas e dorme e acorda cantando, sentindo aquele alívio gostoso, mágico, aproveitando a abundância de gentilezas que começam com um bom dia amor e você correndo para o espelho para a consulta que aprendeu com a madrasta da Cinderela “espelho, espelho meu existe alguém mais feliz que eu”?
É o seu momento de trégua. A vida de muitas de nós tem disto. Relaxa e aproveita. Faça de conta que não conhece o fim da história, saboreie esse bonbom recheado de licor, sem culpas. A juíza das suas loucuras é você mesma. Não seja severa demais nem se cobre depoimentos, afinal se houver ferimentos quem vai soprar é você, senhora de sua própria tortura. Afinal seu esporte predileto sempre foi correr riscos.
Vale tentar ganhar uma medalha nem que seja de bronze.

Inserida por deusadasaguas7