Tânia Mara Camargo: LEMBRANDU DA SINHÁ Quanu ocê chegô,...

LEMBRANDU DA SINHÁ

Quanu ocê chegô, sinhá
Num sabia qui ia sê ancim
Tão di legerinhu, tomá conta dessi coração
Trazênu alegria pru meu sertão

As mata ficáru tudu verdinha
As vaquinha tão tudu danu mais leiti
Os boi tudu prontim prus corti
E as galinha puedêra dexaru as priguiça di ladu
Tão tudu correnu atrais dus galu

Isso tudu dispois de vê as alegria
Nu coração apaxonadu
Desse poeta Caipira

Mais hoji, sinhá! Tô tão triste aqui no meu ranchinhu
Que inté os passarinhu, fica tudu zoianu pra iêu!
E num canta nada

Os bichim fica tudu cum as asinha pra trais
Andanu prum ladu e pru otru
Cabecinha baxa, tristim!
Isperanu pra modi eu dá umas risada

I quano si dô risada, veno aqueis bichim de biquim fechadu
Pricisa só di vê o arvoroçu que é ...
Eis tudo filiz cantanu e vuanu
Parecenu inté festa de quermesse

Mais podi dexá, viu sinhá!
To peranu ocê sará e vortá a mi iscrevê
Inquantu issu vô cunversanu cum a lua
Nas noite de cantoria, tocanu sanfona
Tomanu uma amarelinha
Daqueas que sobrô du festerê da sinhá Mari

Inté, intão!

Frei Garvão
Primeiro santu da nação
Não mi deixi aqui sozinhu
Mi dê a sua mão

Inserida por anaferreira