Aline Marques da Rocha: Desequilibrio em pessoa... Confundiu...

Desequilibrio em pessoa...


Confundiu vida com invenção. Passou a vida toda inventando, criando, planejando. Iludiu-se com essas coisas maiores que chamamos de sonhos. Inventou cores, papel de parede, personagens, sentimentos. Criou uma identidade falsa, quis ser o que não era e acabou sendo.

Viveu de uma forma tão podre que sua existência fede e eu sinto aquele cheiro de podridão no ar. Sinto também como se um dedo fosse enfiado em minha garganta e subisse uma ânsia de vomitar a sua vida que envergonho.

Você se fez passar por mocinha nessa história toda mas acabou humilhando - mesmo sem perceber - os que estavam a sua volta, dizendo: eu sou eu, então, eu posso. Fingindo ser forte. Bem mais forte do que aqueles que te feriram. Só que se esqueceu que não é feita de ferro e que a cada arranhão, sangra.

Divulgou-se ser o espelho de qualquer garota, mesmo feia, mas mulher. E foi, pois acreditava que se sobressaía tanto que os outros não conseguiam esquivar-se a um movimento de inveja. Sua beleza (interna) era como uma flecha: mirada, certeira. Não tinha ponto de escape.

A verdade é que você não foi o espelho, apenas pensou ser. Passou uma vida acreditando que fosse a inspiração de tudo, acreditou tanto e acabou convencendo-se disso. Mas não eram elas que queriam ser você, você que queria ser elas. E as características que você pensava ser só suas, eram mais delas do que sua. Você era a copia de cada pedacinho delas. Você era a imperfeição; formada por pedacinhos copiados imperfeitos. Estava cega. Fechou os olhos para o mundo e para a vida. E continuou a acreditar no que apenas te satisfazia: seus sonhos.

E assim... Passa a maior parte do tempo rindo. Tentando disfarçar suas angústias, tristeza, solidão. Tentando achar explicações para todos os momentos ruins da sua vida; como a falta de amor, a saudade, a distância e principalmente uma explicação que a faça aceitar ser o que é.

Dá gargalhadas tão histéricas para disfarçar o que tem por traz daquele sorriso: aquele grito silencioso, aquela dor profunda, aquela hemorragia interna; a boca trêmula, os olhos piscando varias vezes para que não cai nenhuma lágrima. Passa uma vida tentando usar máscaras para que tampe as feridas estampada na cara, mas a máscara é pequena demais, pode-se vê pelas brechas as feridas.

Aprendeu a mostrar os dentes tão cedo para a desgraça.
(Coitada...)
Vem carregando uma vida de desespero. Carrega tudo: passado, presente e futuro. Carrega a ilusão de um passado próximo e um futuro presente. Carrega o que foi, o que é e o que será, tudo numa coisa só.

Fez-se orgulhosa por demais, tanto que não mudava seu jeito de ser. Mas qual seria seu jeito de ser? Se era, nada mais e nada menos, do que a copia de várias. Qual seriam seus pensamentos, atitudes, palavras,... Quem seria você? Você que não possuía nenhuma personalidade, você: falsa identidade.

Você foi tão elas que se tornou desinteressante para eles, talvez, desinteressante não seja a palavra certa mas complicada. Ferira com suas unhas grandes e afiadas cada amor não correspondido. Ferira a si mesma mas do que a eles.

Desde sempre, um orgulho dolor se manifesta em seu personagem e acredita ser a verdade em pessoa. E todo mundo sabe, todo mundo vê e é com tamanha certeza que conseguem dizer: você é o desequilíbrio em pessoa. É um pedacinho perdido de cada uma delas.

Inserida por alinerocha