Agnaldo alves pereira vulgo goiano mesmo: Certa veiz, fui mora numa currutelinha...

Certa veiz, fui mora numa currutelinha bem pititinha, mais essa era pititinha mesmo, a sorte é qui na instrada tinha um mata burro, sinão us pesuar passava i nen via a currutelinha, i como im toda cidadinha, la tinha uma figura foclorica cunhecido inte nas fazenda da rigião, era um tar di ze ligerim. U homim era ligero dimais da conta de tão ligero dava nó ni talim di xuxu seco, 100 arquere pele roça era mei dia di siviço, postava currida cum manelim du açogue, ele di bicicreta i u manelim cum seu opala 6 cilindro, ganhava todas du manelim, pra anda num sistia na rigião quem cunpanhava ele.
Mais nessa vida tudim que bão adura poco, ligerim morreu foi uma tristeza danada a currutelinha paro, u prefeito adecreto luito oficiar di 3 dia e como im toda cidadinha di interio num tinha carro i nem funerara pra leva u falicido, daí u jeito é us cunpanhero garra na arça du caxão i leva pru cimitero, i foi assim u transporte du ligerim, fizeru uma procisão bunita dimais da conta, tava u prefeito, u padre, delegado, uns fazedero da rigião, a mininada, a veiarada e u cortejo siguia já chegano pirtim du cimitero cai u fundo du caxão, i monte de fulo, i nada du ligerim, todo mundo fico bismado mais cade u ligerim? cadê u home? cadê? pra lá, donde quele tá? pra cá, aquele fuzuê, dai colocaru u caxão nu chão i abriru a tampa, ses num a di vê qui u lixerim tava garrado qui nem ispim nas berada du caxão, u homim imte adispois di morto era ligero ta dooooooooido sôoooooooooo..........

Inserida por goianomesmo