R. Moura: Dói, sim. Dói muito. Vai passar. Mas...

Dói, sim. Dói muito. Vai passar. Mas que dói, dói.
Dói cada vez que toca o meu telefone, nas vezes em que chega uma mensagem, cada vez que leio meus e.mails.
Dói de dia, dói de tarde, dói de noite. E como dói.

Dói cada vez que não te acho no rosto das pessoas, nas ruas por onde ando, na minha vida.
Dói a ausência, a lembrança, a falta de esperança. Dói as vezes que fico sozinho, cada vez que chega a noite.
Dói quando respiro, quando transpiro, quando espirro. E dói demais, demais.
Dói como nunca doeu antes.

Dói quando ando, quando corro, quando paro. Dói no sol, no cinema, no chuveiro.
Dói quando lembro que não faço mais parte do seu dia a dia. Quando lembro dos nossos planos, dos nossos sonhos, dos nossos beijos.
Dói quando lembro que você não quis, que você não quer, que perdi você.
Dói, sim. E dói muito.

Mas vai ter que passar. Um dia passa.
Porque preciso, porque mereço, porque anseio.
Porque fiz tudo o que podia, mostrei tudo o que sentia, esperei mais do que devia.
Vai passar.

Inserida por renedspa