Fiódor Dostoiévski: Não consegui chegar a nada, nem mesmo...

Não consegui chegar a nada, nem mesmo tornar-me
mau: nem bom nem canalha nem honrado nem herói
nem inseto. Agora, vou vivendo os meus dias em meu
canto, incintando-me a mim mesmo com o consolo raivoso
- que para nada serve - de que um homem inteligente não
pode, à sério, tornar-se algo, e de que somente os imbecis
o conseguem...

Fiódor Dostoiévski In Memórias do Subsolo.
Inserida por mandinhang