Ezequias de Almeida Lopes: Soneto da perdição Ando entre aqueles...

Soneto da perdição

Ando entre aqueles
que desdenham a luz do dia
O som de meus passos
ecoa ao longo de lúgrebes becos .
Ao fundo ouve-se
o grunhido de almas amarguradas
as quais pouco importa o que lhes reserva o destino
e pouco menos o outrora.
Forçam um bucólico sorriso
Ao repousar sua carcaça num canto qualquer
Ao lado de minúsculo poço de ilusão
E entre perdas e desleixos
Ando a procura de um canto
Para tentar te esquecer...

Inserida por Zecak6