Patrícia Ribeiro: Quando nasci Quando pensei que tinha...

Quando nasci

Quando pensei que tinha nascido pra vida
Já estava o bastante morto pro amor
Já faltava-me o ar, já faltava-me o mundo
Já não era alguém mas “algo”

Se a alma existe, que faça de mim tua serva
Pra que nas reviravoltas insanas dos pensamentos
Eu reanime este espírito inválido de amor
E volte ao vale fresco da paz

E deste transtorno infundado farei pó
E desta vontade de ser gente farei eu
E das sombras uma luz guia

Só assim é que viverei como um “eu”definido”
E só assim enxergarei com meus próprios olhos
Quem um dia viveu a morte em segredo

Inserida por patriciaaribeiro