Gustavo Bassini: A democracia do afeto "Não tenho...

A democracia do afeto

"Não tenho – nem nunca tive – a pretensão da unanimidade. Li Rodrigues muito novo! Deixei, há pouco, de ser escravo de cortejo. Li Freud muito tarde! Gosto de pessoas incomuns e desgosto de algumas, por muitos, cingidas de confetes. Tenho, contudo, ojeriza aos hipócritas, mas nutro respeito por meus desafetos e adversários, leais ou não, pois isto é o que pode – eu disse pode - me tornar melhor que eles, e, afinal, o mesmo direito de quem te estima assiste àquele que te abomina: Esta é, para mim, a democracia do afeto! E este sou eu: alguém que acredita- eu disse acredita - ter conquistado a liberdade de ser, pensar e, às vezes, falar o que quiser.”

Inserida por supersilvia