C.M: Assim eu gostaria que se lembrassem de...

Assim eu gostaria que se lembrassem de mim:

Alguém que nasceu nu, porém tudo que ganhou foi lucro.
Pois ninguém jamais morreu afogado em seu próprio suor. Nasci uma página em branco. Partirei como um livro bem escrito, um pouco de prosa e um tanto assim de poesia.

As coisas que pelo destino perdi, no fim não fizeram à diferença na minha missão. Acreditei na sorte, mas mesmo aqueles que quiseram me ver derrotado jamais conseguiram me ferir, nem mesmo em pensamentos.

Que fui uma gota no oceano, porém sem mim ele seria menor. Que a beleza que por ventura me faltou no rosto ou no corpo, eu a tive através da inteligência, da compaixão e da humildade em reconhecer os meus erros e querer sempre repará-los.
Que não fui santo e se fui hipócrita ao ponto de querer sê-lo em algum momento, que a vida me deu tempo suficiente para reconhecer todas as minhas imperfeições.

Que amei como poucos e loucos.
Pois o meu amor só obedeceu a lei da oferta e da loucura.
Que se algum dia fiz alguém chorar, suas lágrimas não foram em vão, pois meu coração também foi quebrado e que os seus cacos eu catei do chão até os últimos dias.

Gostaria que lembrassem do meu sorriso e não da minha dor, que se recordassem do meu amor pela vida e não pelo sofrimento que é viver em alguns momentos, que falei a linguagem da dor porque me doía de verdade, e que quando falei na língua do júbilo, da alegria, do contentamento e da exultação, eu sentia com cada fibra do meu corpo essa emoção que é viver a eterna novidade do mundo.

Que fui uma flecha que acertou o alvo, que nasci, cresci e envelheci, mas nunca deixei de ser a mesma criança, aquela criança que nasceu doente, com bronquite e que sofria de noite para dormir e precisava segurar nas mãos da mãe para respirar.
Aquele mesmo que aos 11 anos talvez por um milagre, talvez pela pílula de alho e talvez pelo destino, nunca mais teve uma crise de bronquite e que correu maratonas e que respirou o ar sem nunca mais sentir falta dele.

Assim eu gostaria que se lembrasse de mim, alguém que foi do tamanho de um grão de areia, mas que tinha a alma com a grandeza de uma montanha.

Inserida por claudinhorj