Karlla Di Araújo: Intitulável O amor é indigno de ter...

Intitulável

O amor é indigno de ter inimigos...
É um veneno crescente ao doer,
O coração chora por está venturado e mal tratado.
Minha súplica de amor inegavél...

Minha dor perdida por entre os traços de linhas,
vinhas e rimas
O perdão é a chave de tudo que é abstrato
E que se nega a um abcesso sem nenhuma fonte de idealismo.

E pôder guardar na memória o teu sorriso,
Os teus olhos, meu amigo,
Meu amado, meu amante

Me culpo por não ter te dado
(nem me dado!)
Um minuto do meu tempo,
Uma hora do meu dia,
Um dia da minha vida...

Devagar, quase sem pressa
Te vejo muito atrás de um nevoeiro
Te busco, Ah! como quero te sentir
Como queria...
Te amar outra vez!

Ser sua amiga,
Sua amada,
E antes de tudo, sua amante.

Os dias ainda foram poucos para nós.
A vida fora injusta conosco,
Com os nossos sonhos...

Não chores meu querido...
Pois estes olhos não caletam a tristeza,
E o teu sorriso não pode ser manchado
Por essas lágrimas...

Inserida por KarllaDiAraujo