Maria Luiza Silveira Teles: PRANTO NA MADRUGADA No vai e vem das...

PRANTO NA MADRUGADA



No vai e vem das horas

Me ponho a meditar

Tempo que me foge

E amor que me arde

Saudade como o vento

Batendo na janela

Na janela de minh’alma

Rostos, gestos e nomes

Tudo morto e levado pelo tempo

Mas, bem viva esta dor

Que me queima o coração

Dor de quem vive

de quem espera

de quem ama

E nas asas do tempo e do vento

Minh’alma viaja

Por ermos lugares

Lá no passado.

Por tão grande amor

E por tão grande dor

Criam-me asas

Não sou apenas mulher

Mas pássaro ferido

Em tempestade perdido

Sou noite, sou dia,

Sou primavera e outono

Sabiá e cotovia

Meu canto triste

Se perde em madrugadas frias

E na solidão de meu quarto

Fantasmas me visitam

E ouvem tristes

Este meu canto...

Inserida por Malisa