Antônio Carlos Baena: O diálogo de um monólogo Eu: Um...

O diálogo de um monólogo

Eu:
Um profundo suspiro...
_Tentar entender é mais difícil do que pensei.
Lamúrias das alma,o olhar onde cada lágrima é uma palavra.

Reflexo no Espelho:
_Não vejo razão,não vejo razão.

Eu:
_Isso seria mais fácil se fosse com uma qualquer.

Reflexo no Espelho:
_Seria mesmo?

Eu:
_Poxa... já disse,mas parece não surtir efeito nenhum.

Reflexo no Espelho:
_Deixe de ser criança,você precisa entender que cada um tem um ritmo.
Se há ferida,precisa existir cura,se há indiferença,precisa haver compreensão e consideração,se não tem Amor,não tem nada.
Não adianta entregar seu coração para alguém que não sabe nem o que fazer com o seu próprio coração.

Eu:
_É eu sei...mas só queria compartilhar um pouco do sentimento que Deus me deu.

Reflexo no Espelho:
_Não se preocupe,há tempo pra todas as coisas,e quando esse tempo chegar
Deus lhe abrirá os olhos,então as coisas acontecerão naturalmente.

Eu:
_Você tem razão,é hora de trocar essas lágrimas por um belo sorriso.

Reflexo no Espelho:
_É isso aí cara...gostei de ver.Deus não está indiferente a sua causa. Na verdade
Ele é o maior interessado nisso,então fique com a palavra que lhe foi liberada.

Eu:
_Valeu hein...precisava mesmo dessa conversa.

Reflexo no Espelho:
_Não precisa agradecer...sempre que quiser estarei aqui.

Inserida por Baena