Dio: Seria melhor não ter saído da cama...

Seria melhor não ter saído da cama
Isto já aconteceu com você? Dormir bem, feliz, cheio de expectativas para o futuro, com o coração transbordando de euforia, capaz de mostrar um sorriso para qualquer felino ou canino que cruzar o seu caminho, e de repente, 7:00 da manhã... Bom dia querido, como está? Você emite uma abrupta e áspera resposta que traspassa toda casa e a alma daquela ou daquele que lhe fez a pergunta ? Desperta do inocente sono e, do nada, como num breve momento esquizofrênico, começa a introjetar uma visão negativista de si mesmo! Dá uma olhadela no melhor espelho da casa e percebe-se como inadequado, feio, errado, defeituoso, sem valor ou importância, fracassado e tende a atribuir essas características a defeitos de sua na¬tureza física e psíquica. Não há grife e nem salão de beleza que pareça dar um jeito naquilo! Nos sentimos como pedras espalhadas pela natureza; sem razão de existir, sem finalidade, esperando o tempo nos desgastar, sentimo-nos sozinhos, como ilhas esquecidas pelos oceanos desta vida. As águas do choro, da decepção, do descontentamento, das mágoas, invadem nossos velhos castelos, nossas antigas fortalezas, e nos vemos encharcados e sem saída! Se sua natureza é má ou inadequada, entende que não poderá ser valorizado ou amado por ninguém. Depois de autodestruír-se, de abandonar aquele assombroso espelho, sem claudicar, sem a presença da razão, volta-se o olhar para o mundo que o cerca. Aquele mundo cheio de brilho, de desejos, encantamentos, é encara¬do e descrito como incapaz de lhe propiciar experiências positivas! O mundo se torna su¬per exigente, que provoca toda espécie de frustração, plenamente falso, cheio de obstáculos insupe¬ráveis e insuportáveis, com solicitações absurdas e jamais atingiremos. Nos sentimos como que sentados numa cadeira de balanço, onde se exige que você faça alguma coisa, mas não o conduzirá a nenhum lugar. São feitas antecipações de que as dificuldades e os sofrimentos presentes serão intermináveis e que seus es¬forços em alcançar objetivos específicos serão inevitavelmente fracassados. Então, caímos no labirinto perigoso onde se pergunta sobre a razão pela qual vivemos. Ninguém sairá desta infindável tristeza enquanto não encontrar esta resposta. Muitos têm gasto toda vida para descobrirem “como não se deve viver”. Outros ainda não descobriram como, nem porque viver...As maiores tempestades que enfrentamos não são as externas, e sim, as que nós mesmos criamos e controlamos dentro da nossa triste e pessimista alma. Pois se existe inferno na terra, só pode ser encontrado no coração de uma pessoa triste. Ah, lembra do dia anterior quando tudo parecia maravilhosamente belo? Ele ainda não morreu. É apenas um momento, uma fase, um instante insano de melancolia e norteado pelo pessimismo que você está passando...Vai passar! Agradeça por ter conseguido saído da cama hoje. Alguns nem isto conseguem.

Inserida por dio