Luiza Ricotta é psicóloga e escritora: A proteção do Amor Nada , Nada posso...

A proteção do Amor

Nada ,
Nada posso fazer
No meio de tanta espuma
Que nem mesmo a brancura do gesto pode tornar límpida a atitude.

Sinto o pesar do passar das horas
Que já me fazem retornar.
Penso que já não há mais tempo.
Ele se foi...

E agora
O que faço?

Como poderei prosseguir
Se uma legião faminta
deseja esfolar vivo o que temos de mais precioso: - o nosso amor.

Não poderei permitir que a luta se dê.
Ainda que necessário mantenho o estandarte da liberdade e da transformação,
Para que a honra e o respeito possam ser glorificados, e não que tenha havido uma mera fantasia, de um vento que soprou um dia.…


Neste calor da luta criado pelas situações
Haverá de Ter justiça.
Pois se esperarmos que a vida nos seja justa,
ficaremos perdidos na espera incansável do nunca.

Vanglorio-me do que sou,
pois assim junto de minha maior riqueza: - o meu amor contemplo a vida serenamente,
sem precisar utilizar-me de sentimentos pequeninos e desgastantes.

Desta forma sigo feliz em meu caminho,
Que chega a cada dia a uma vitória.
Conquistada por não pertencer a este esquema de aprisionamento de sentimento amoroso, falta de troca, e alimento feito em migalhas e restos de um tempo...

Que o nosso amor, florescendo que está,
Continue em sua brilhante trajetória.
Apagando de nossas memórias diárias toda e qualquer poeira que venha pousar nos olhos.

Apenas poeira, nada mais....

Para quem vive o amor que sentimos,
há alimento suficiente para nós e para tudo o que temos construído.

Que a vitória de nosso amor, que é uma realidade,
se revigore ainda mais a cada dúvida ou pensamento de ataque.
Retornando a quem destina o fel das horas vazias de quem desperdiça o tempo e a sua pessoa em situações descabidas e não imagináveis.

Que o amor vença e perdure sobre as pernas fortes e altaneiras diante da construção de nossa história.
Que o afastamento dos maus olhos nos proteja da cobiça e da inveja.

Que não pousem sobre nós nenhum cisco vindo de mentes deturpadas e carentes do amor, que, desconhecem o quanto trabalhamos nesta construção.

Pois que assistam solenemente para o resto de nossas vidas, a nossa glória e alegria que é:
- ESTARMOS JUNTOS!

Inserida por MargareteSoares