Enzo cestary: Embrenhaste em minh’alma, como os...

Embrenhaste em minh’alma, como os ferrões que chagaram nosso senhor, penetraste em minha carne como a bala que perfura o aço.
Ai de ti, oh! Sentimento, pois te maldigo, porque corrói-me feito o câncer? Maldito sejas tu que me embriaga feito o ópio, que o criou? Oh! Imperfeito destruidor de almas. Acaso és maior que tu mesmo? Quantos corações e mentes ainda terão que enganar? Quantos ainda serão prosélitos a ti? Porque maculas o imaculado? Acaso falas da vida? Ou em vida pensas? A ti que outrora era chamado de sublime, que somente a plenitude queria alcançar. Morras só; ou porventura o mundo deve temê-lo? Agora, quem o criou? Tanta pujança por tão pouco, ou não serás tu, somente tu a quem tememos? Responda, oh! Incognoscível serás tu salvação ou perdição? Que dirá poeta que o escreves? Senão; que nome tem?

Inserida por enzocestary