Natália Maria de Lira Cardoso: Não sei qual a razão, mas, de repente,...

Não sei qual a razão, mas, de repente, me bateu uma terrível e incontrolável vontade de escrever. Escrever para que? Escrever porque? Garganta hesita em deixar as palavras de frenéticas seguirem seu curto e rápido caminho, as acumulando, fazendo com que o meu coração ferido grite de agonia e desespero. Os olhos prendem as lagrimas tristes fazendo-me mergulhar em meu mar de sofrimento, porém, minha mão tremula, de letra feia, levanta-se com honra, como uma guerreira numa batalha perdida, construindo sua própria sina e então, corre para o imenso mar de incontáveis letras. Torno a perguntar : Para que? Traduzir sentimentos em letras desordenadas é um fato que o ser humano moderno, não é capaz. Talvez, aquele senhor de mais idade, sentado ao longo da calça, sem roupas caras, sem vaidade, consiga lhe mostrar uma partícula do que é amar. Volto na mesma questão: escrever porque? Tentar ser um pedacinho dos sofridos e grandes poetas? Prefiro ser feliz para sempre do que ser lembrada que sofri eternamente. Para me declarar a pessoa que amo? A cada segundo debruçada por cima desta superfície plana, branca, perco os segundos em que poderia esta demonstrando o imenso amor que esta dentro de mim. Os poetas, seres incomparáveis e superiores, deixe que eles façam o seu insubstituível papel. Embora eu não consiga parar de escrever, meus músculos adormecem, meu pulso machuca, meus dedos travam, porem meu coração continua escrevendo.

Inserida por NataliaCardoso