Marcos Mendes: Sinais Não sei se você acredita em...

Sinais

Não sei se você acredita em sonhos ou sinais?
Nos sonhos sempre acreditei, achava que de alguma forma me falavam ou gritavam algo.
Estranho é que normalmente sonho, mas raramente lembro o que sonhei,
não sei se é assim pra todo mundo, nunca estudei ou pesquisei sobre este assunto,
mas vamos lá.
Por que estou digitando este texto?
Porque tive um sonho há uns dias,
e recentemente ando tendo sonhos que me tem feito confundir
a ilusão do sonhado com a realidade,
este que vou contar foi um deles, talvez o que mais tenha me dado essa sensação.
_ Era tarde, não sei bem que lugar, nem onde,
não chovia e nem fazia sol, o tempo devia estar nublado,
nem frio, nem calor, exato aquele tempo que adoro pra sair,
Estava de bicicleta, gostava mesmo que pudesse ser uma moto,
considerando que não sou muito esportista,
deve ter sido mesmo um meio de condução pra chegar mais perto de algum lugar,
E seja lá que lugar era este, lá estava eu,
encostando minha bicicleta a janela de um carro, bem do lado do motorista,
eu me inclino e lembro de dizer: _ Ela está aí ?
O Motorista do carro era um amigo em comum de uma grande amiga,
amiga por quem ambos eram vidrados,
posso até confessar que os dois devem ter experimentado por ela
o mesmo sentimento, a paixão.
Toni, vou chamar assim esse amigo.
Ele nervoso e preocupado diz,
_ Vá lá que não chegaste tarde demais, ela está aí dentro com
o moço, o rapaz, não sei o que ela viu nele, demoras tanto
que acho já ser tarde demais.
_ Ela ainda não saiu? pergunto com o ar de despreocupado,
de fato dou um leve sorriso quando pergunto isto,
sorriso de quem sabe ter a certeza vai ganhar uma aposta, ou um jogo de futebol.
_ Não. Ele responde,
_ Mas faz algo logo ou ela vai mesmo fazer a besteira de ficar com ele.
Nessa hora ele aponta pra saída de algum lugar, bom que já disse não reconhecer,
mas parecia a saída de um cinema ou loja, ou um desses centers enormes.
Ela sai sorrindo, ele um rapaz novo, bem mais que ela, mas não bonito,
também não era feio, alguém bem apresentável, ambos conversam e se despedem ali mesmo.
Ele dá um tchau com um aceno discreto de mão, sem beijos de despedida, nenhum,
nem na boca, nem testa, bochechas ou mão.
Ela começa a caminhar em direção contrária a tudo,
ao carro, ao rapaz e a mim.
_Vai, apressa-te e faz algo. Diz toni.
Eu ?!?!
Vou pelo calçadão até ela com minha bicicleta ao seu lado,
digo: _ Ciúmes!
Ana, foi a imagem da jovem em meus sonhos,
ela me olha de lado, e continua andando,
parecia brava, pois não sorria, e nada respondeu.
_Ciúmes! digo de novo.
Ela dá mais dois passos e para.
Olha-me e me diz:
_ O que você quer afinal?
Pergunta que também escutei na manhã do dia seguinte ao sonho.
Eu não respondo a pergunta, começo a girar em torno dela com a bicicleta,
Sorrindo como quem tem a certeza de uma vitória.
Sorrindo, rindo e dizendo sem parar:
_ Ciúmes, ciúmes, ciúmes, ciúmes, admita você tem ciúmes.
Ela fica lá, parada vendo-me passar a sua volta.
Daí o sonho fica aquela mistura de ilusão do sonhado com sensação de realidade.
Desço da bicicleta, bem à sua frente,
praticamente jogo a bicicleta de lado,
dou um passo na direção de ana,
seguro-a em meus braços, olho bem nos olhos dela,
mais uma vez digo o que aparentemente parecia atormentá-la:
_ Ciúmes, admita você me ama.
É nessa hora que vejo nos olhos dela e na falta de reação sua resposta não dita.
Então me aproximo tendo-a nos braços,
aproximo ainda mais seu corpo ao meu, e a beijo.
O beijo, ah o beijo, esse parecia de cinema,
porque se tivesse lá uma câmera, estaria nos filmando em 360 graus,
estaria rodando e rodando a nossa volta,
como se todo o mundo estivesse,
mas como se nele só existíssemos nós dois,
ali parados a nos beijar, como talvez nunca tivéssemos nos beijado antes.
O beijo, foi exato aí a sensação, a mistura do real com o sonhado,
o momento que não tenho como lhes dizer não ter acontecido,
porque além de sonhado foi por mim sentido.
Então acordei.
Sonhos, sinais, avisos?
Ana, não é a moça por quem estou atualmente apaixonado,
foi alguém por quem já nutri uma grande paixão,
por quem estou?!?! Talvez o sonho tenha sido um aviso, sabe?,
mas daqueles ao contrário, você fica esperando algo e acontece justo o inverso.
Diria que a moça por quem meu coração se apaixonou
e a quem deveria pertencer tal beijo, vou mesmo ter que esquecer.
Ano Novo, véspera, quando todos renovam seus sonhos,
desejos, pedidos, metas, objetivos... blá, blá, blá.
Tenho uma meta difícil pela frente, uma importante...
Deixar de acreditar que um beijo como este, sonhado,
um dia pudesse se tornar real.
Ah, sobre sinais????
No dia seguinte ao sonho, na internet,
vi uma foto que guardei, um homem sobre uma moto empinada beijava uma mulher.
Lembrou-me tão fortemente o beijo que guardei e postei no meu orkut.
Hoje, levantei cedo porque precisava relatar isto,
mas antes de sentar ao micro pra digitar, vi acima dele, bem no alto da parede quase ao teto,
uma linda borboleta negra, com asas abertas.
A mulher que vou esquecer é fascinada por borboletas.
Sinais, sonhos, avisos,,,
Sempre me confudiram.

Feliz Ano Novo e boa sorte!

Inserida por saldoce