Jonh Burroughs: Sereno, entrelaço os dedos e espero;...

Sereno, entrelaço os dedos e espero;
Sem me importar com ventos, maré ou mar;
Não me enfureço mais contra o tempo ou o destino;
Pois veja.; o que e meu a mim virá.

Interrompo a minha pressa, faço delongas;
Pois de que me serve essa marcha apressada?
Ergo-me em meio aos caminhos eternos;
E o que é meu conhecerá o meu rosto.

Adormecido, desperto, de noite ou de dia;
Os amigos que procuro, procuram a mim;
Nenhum vento pode impelir meu barco para fora do caminho;
Nem mudar a maré do destino.

O que importa se estou só?
Espero com alegria os anos que virão;
Meu coração colherá onde foi semeado;
E armazenará seus frutos de lágrima.

As águas conhecem o que é seu e dão nascimento;
Ao córrrego que jorra de grande altura;
Assim flui o bem com lei igual;
Rumo a alma de puro deleite.

Noturnamente, as estrelas vêm ao céu;
e a onda de maré até o mar;
Nem tempo, nem espaço, nem profundeza, nem altura...
podem afastar de mim o que é meu.

(Jonh Burroughs)

Inserida por cheliked