Paulo Master: Textinho criança! A criança que há em...

Textinho criança!

A criança que há em mim não deseja brinquedos, grandes ceias, não busca apenas o afago, o chamego, uma aventura ou emoções perigosas.
Essa criança deseja algo muito mais do que apenas uma mão estendida.
Uma criança com sede de justiça e amor, igualdade social, essa criança teme o futuro das outras crianças que deixam de ser criança cedo demais.
Existe dentro de mim uma criança alegre, sadia e sorridente, mas que se preocupa com a vida em geral.
A humanidade está perdendo seus valores, uma criança não entende essas coisas de adultos, mas sente os resultados.
As crianças sofrem com a falta de amor, de carinho e compaixão, elas sentem a violência e o desamparo.
Choram com medo do escuro, uma escuridão que cegou as pessoas, jogando-lhes contra seus próprios medos, como crianças desamparadas.
As crianças não culpam as pessoas por suas ações despreparadas, mas lamentam por todo desamor da humanidade.
A criança que há em mim é a mesma que há em você, crescemos, mas mantemos nosso lado infantil e jamais deixemos que se perca.
Pois a cada decisão que tomamos, precisamos da opinião de um ser com tamanha sinceridade nas suas palavras.
Com criança não se brinca, mas brinca-se demais ou têm-se brincado pouco, as crianças existem para nos trazer a felicidade.
De todos os estágios da vida o mais divino é o de quando somos crianças, pois as pessoas nunca vêem defeitos nelas, somente encantos.
Quando crianças, somos aparados e amparados, carregados no colo, ouvimos cantigas de ninar, mas muitas sofremos abusos e injustiças.
Um ser indefeso e sem maldades no coração muitas é alvo de quem maldades têm demais e aproveita-se da sua inocência.
A minha criança interior não deseja brinquedos, apenas lamenta o espaço pequeno demais, que não a deixa com possibilidades para sonhar.

Inserida por Paulo-Santana