Márcia Duarte: O que não podemos entender Passei muito...

O que não podemos entender

Passei muito tempo buscando entender coisas que hoje percebo que não têm explicação. A razão das minhas escolhas, das minhas omissões. Por que eu fui quando quis ficar? Por que eu fiquei quando quis estar em outro planeta? Por que já pensei em jogar tudo para o alto e recomeçar? Por que eu estou aqui agora?

A verdade é que nos preocupamos tanto em fazer acontecer que não observamos a vida passar enquanto acertamos os últimos preparativos. São tantos os planos que terminam ou começam com as surpresas que o destino nos apresenta. São tantas as decisões que parecem desconexas no momento em que as tomamos, mas que com o passar do tempo entendemos que não foi uma escolha e sim a única alternativa que podíamos seguir naquela situação. Tudo ao redor nos levava até ela. Tudo que estava nublado e só o tempo foi ou é capaz de clarear.

Já me preocupei demais com questões que não mereciam nem sequer que eu arcasse por um milímetro as minhas sobrancelhas. Já desconfiei. Já procurei encontrar o que nunca quis ver. Já me senti traída. Não por amor, mas por lealdade. Não por atitudes, mas pela falta delas. Já acreditei no que nunca existiu. E agora vejo que isso tudo foi em vão. Talvez a minha falta de experiência tenha me levado a me aborrecer com coisas tão pequenas. Talvez não.

Hoje não quero mais saber se estão todos falando de mim ou se nem sabem que eu existo. Não importa o que dizem ou deixam de dizer sobre ele, sobre mim, sobre nós. Não interessa se quem se diz meu amigo gosta realmente de mim ou é só fingimento. Não quero saber o que fulano acha de mim, se beltraninha não vai parar de dar em cima do meu amor, ou ainda se a outra não cansou de esfregar as declarações mais sem fundamento na minha cara. Não procuro mais saber o que não devo, o que não me faz bem.

O melhor chega até nós mais cedo ou mais tarde. No tempo certo. Não há preocupação que acelere o que está predestinado a acontecer. A recompensa de quem confia, de quem sabe que cumpriu o seu papel para estar onde está, sempre chega. Portanto, não deixe que nada desvie sua atenção ou seu caminho. Siga o rumo traçado pelo seu coração. E mesmo que nem tudo aconteça da forma que você gostaria, não chore, não desista. Não se culpe. No final você vai perceber que tudo sempre fica do melhor jeito para nós. Até quando isso parece simplesmente incompreensível.

Inserida por niiiramone