Lorena: Nas primeiras vistas tudo é encantador....

Nas primeiras vistas tudo é encantador. Os motivos para valorizá-lo são esbanjados em uma freqüência de hora suficientemente capaz de burlar qualquer sistema de autodefesa que dolorosamente se formaram em quase vinte anos. E eu nem percebo. Eu abandono a certeza de que perfeição inexiste. Uma sutil ameaça de esperança surge no íntimo e eu sinto uma absurda vontade de apostar o que sobrou das fichas. Mas eu fico quieta. A gente sempre levanta com certo receio de desabar de novo. Mas nós, as pessoas, somos renitentes. E eu não uso esse argumento como desculpa de ter como fulcro a leve em exagero dinâmica estrutural do psíquico humano. Ao contrário, tudo o que falo é tentando não coibir minhas emoções. Inapelavelmente a realidade é essa. Eu sei que esta cautela não dura mais que algumas horas se o beijo for bom. Se o cheiro for bom. E, se ele me fizer gargalhar até a barriga doer então... Vai toda a casca de proteção por roupa abaixo. Esse pensamento me apavora. Porque eu já sou uma mulher cansada, o que eu faço? Acabei de tirar as fraldas e já estou cansada. Arquitetar planos e depois me ver obrigada a anulá-los rouba, covardemente, energia. Imaginem fazer isso em ritmo frenético, sem intervalos. Sim, estou ficando sem forças.
Eu já me sinto lúgubre antes mesmo da próxima queda. Eu havia combinado comigo que dessa vez seria diferente, dessa vez eu não permitiria nascer encantamento por ninguém. Mas o novato começa bem – e eu não acho que isso seja bom – que fique claro - me busca em casa oito da noite. Senta no sofá da minha casa, faz um elogio à minha mãe e, em instantes está intimo da família inteira. Consegue até virar ídolo do meu irmão caçula. Ele prepara o jantar, escolhe o filme e sabe me deixar à vontade em seu apartamento de solteiro. O perfume dele está em mim desde a noite de ontem e eu fico feliz por ter conhecido uma pessoa que se banca sozinha. A lugubridade se deve à continuação do primeiro raciocínio do texto, o pensamento que me fez sentar aqui mais uma vez. Este moço começou bem como tantos outros. E não aconteceu nada que me fizesse acreditar que com ele seria diferente. Daqui a uma semana os defeitos já são tantos que é mais lucrativo tentar a sorte com um homem novo. Para os que estão me achando pessimista quero contar que essa história de viver atropelando tudo, sem medo e sem cuidado para mim já basta. O mosaico da minha alma que o diga.
Eu analiso friamente o perfil do novo alistado. Na casa dos 20 anos, recém formado, sorriso colgate, cabelos louros, lisos e, facilmente encontrado qualquer dia da semana em uma boate da cidade. Não, não é para o meu bico. Pela conversa fui capaz de perceber a alma do garotão que acha que curtir a vida é testar semanalmente o poder de conquista. Cair repetidas vezes no mesmo buraco não combina com a pessoa inteligente que tento ser.
Eu sinto sede. Não tenho água. E essa sede não se restringe somente a saliva. É sede de carne, espírito, coração. Eu tenho sede até dos problemas dele, tamanha é a vontade de ter alguém que valha a pena. Aproveitando o espaço para dizer que troco cinco moleques por um homem, quem se interessar entre em contato.

Inserida por tamebertolla