Paulo Roberto Avelino de Oliveira: Naceu nas terras do Norte, das chuvas no...

Naceu nas terras do Norte,
das chuvas no chão rachado.
O homem de rosto molhado,
em busca da própria sorte.

Viveu para ser lutador
nos campos verdes do sertão.
Sempre pregando a paz
que trazia no coração.

Seu rosto sempre cansado
pela luta do cotiano.
Na busca do pão para os seus
nas colheitas de todo ano.

Na sua casinha no pé da serra
ouvia o cantar da passarada,
ouvia os sapos do brejo
no inicio das invernadas.

Aquele lugar foi seu reino
onde sempre plantou amor,
onde plantou a esperança
sem nunca falar de dor.

Os anos se passarão
em tamanha lentidão,
mas chegou o dia afinal
de deixar o velho sertão.

partiu para uma outra vida
para um reino desconhecido,
deixou em nós a saudade
o nosso amigo preferido.

O seu casebre abandonado
é hoje sua única lembrança,
suas palavras ainda soam
como nossa esperança.

Seu ideal se espalhou
como sementes no ar,
vivemos semeando o amor
melhor semente não há.

Para Raimundo Avelino Alves (Meu avô, in memorian).

Inserida por P45