Luana Lopes: O baile de mascaras. Todos em um salão...

O baile de mascaras.


Todos em um salão se encontrava ,e se entre olhavam. Todos com suas roupas coloridas e mascaras cintilantes, todos esperavam. Todos esperavam , se entre olhando, conversando , fofocando , comendo , bebendo em pés ou sentados , mas nunca dançando , e sempre esperavam. Esperavam , e esperavam sem saber ao certo pelo que esperavam.
Diante da situação , para não ser tão diferente decidi esperar também , mas para não ser tão igual resolvi esperar diferente. Caminhei vagarosamente com minha mascara rosa bebe , e meu vestido prata até a pista de dança. Quando me dei conta minha cintura já balançava de acordo com ritimo da batida que o Dj sem demora iniciara quando percebeu que alguém resolvera esperar diferente.
Foi então que parei de esperar , só queria me balançar. Não via nem ouvia mais nada que não estivesse na minha frente , que não fosse pro agora. Estava cansada de tanto esperar.
Contudo ao diminuir das batidas da musica as do meu coração aumentaram. Ai entra em cena o rapaz da mascara negra, que trazia na mão direita um a rosa vermelha do pecado , e nos lábio um mel envenenado.
Eles olhou cuidadosamente para todos no salão. Todos esperavam , esperavam que ele fizesse algo , esperavam...
Abrindo caminho pela multidão foi em minha direcção que o rapaz caminhou, tirou minha mascara ,e pôs a rosa em meus cabelos. O pecado estava em mim agora ,fazia parte de mim , e eu só o via.
Com os olhos mais negros e misteriosos que a própria noite fitou-me , e convidou-me a dançar tango. Aceitei , receosa, mas aceitei. E assim o fizemos , do geito que podíamos e sabíamos , e entre uma cruzada de perna e outra tentava em vão retirar a mascara negra. Ele parecia prever meus movimentos , assim como parecia prever os dele.
Durante um longo tempo ficamos nesse jogo de sedução , sem que ele me permitisse provar de seu mel envenenado. Pouco antes da uma e meia da manha , o rapaz da mascara negra diante de mim disse '' sou só seu , e só você tem a chave do meu coração. " E desapareceu no meio da multidão.
Antes que a tristeza do abandono me envolvesse , decide voltar a esperar do meu jeito , agora não mais tão diferente. Dancei , Dancei , e Dancei , até que percebi que não dançava sozinha. Dançava , sem querer com um rapaz de mascara azul.
Dançávamos um com o outro , sem nem saber , e dançamos por incrível que pareça em um ritimo coordenado , um ritimo igual , parecia até ensaiado , quem sabe combinado.
O rapaz abriu um grande sorriso para mim , e tirou sua mascara para que eu também pudesse ver seu rosto. Dançamos por incontáveis horas , sem uma palavra dizer, até que não sei o motivo certo , disse;
" Dançar é muito com não é mesmo? "
" É. Mais eu sou meio ruim pra pegar o ritimo da musica" - disse tímido.
" É simples , olha - peguei suas mão e as coloquei na minha cintura - sente o ritimo agora ? "
Ele apenas sorrio , e mais alguns longos minutos depois , décimos os dois sair um pouco da pista , ele fora ao banheiro enquanto eu caminhei até a posta lateral do salão. Queria ver a noite , mas vi um pouco mais que isso.
Na porta , estava o rapaz da mascara negra tão junto a uma outra menina que quase não se sabia aonde terminava ele e aonde começava ela. Na mesma hora deixei que a suposta chave que tinha tomasse o mesmo caminho de minhas lágrimas...
No exato segundo uma mão quente me toca as costa; era o rapaz da azul. Não sei se ele percebeu o que havia , e talvez nunca saberei , mais sua atitude concerteza me derreteu. Me tomou pela mão direita , e me levou até a porta da frente do salão.
Todos nos olhavam fixamente , era como se esperassem por aqui , se soubessem do que eu não sabia. Fora do salão , do outro lado da rua havia uma grande árvores com dois balanços , ao lado um gira-gira e um escorregador simples. Sentei-me no balanço , e o rapaz começou a me balançar.
Me balançava não tão devagar que não desse pra sentir o vendo beijando minha face , nem tão rápido a ponto de me dar medo. Me balançava sutilmente , até que pôs-se na frente do balanço e disse;
'' pule. ''
De inicio recusei a proposta , tinha medo , iria com certeza cair , mas ele mo convenceu dizendo;
'' pode pular , você não vai cair , porque não vou deixar. "- Então foi que pulei com o balanço em movimeto , e meio sem equilibrio apoiei-me nele. Na mesma hora abrio aquele ja conhecido sorriso , e deslisou seus dedos sobre minha face , colocou meus cabelos para traz , e beijou-me sobre o manto azuk marinho da noite. Sem mascara alguma....

Inserida por lluana1210