Rafael Ramos Bacharel em Administração 26 anos Salvador-Bahia (71) 8168-4462: CRITICA Á IMPRENSA BRASILEIRA É...

CRITICA Á IMPRENSA BRASILEIRA

É impressionante como grande parte, senão a maioria esmagadora, da imprensa jornalística brasileira vem a todo o momento perseguindo as Polícias Militar, Civil e Federal. Toda vez que ocorre algum fato trágico e/ou de impacto, logo querem culpar a polícia por tudo. "A polícia é mau armada", "é despreparada", "não sabe negociar", "só tem corrupto", "mais um inocente é morto pela policia" e outras frases do gênero chovem nas inúmeras reportagens com finalidade única de diminuir e desmoralizar a importância de atuação da polícia numa sociedade onde a violência cresce de forma alarmante.

Digam-me vocês, que detêm os meios de comunicação e que por muitas vezes tomam uma postura de donos da verdade absoluta do mundo, alguma vez já viram comunidades carentes fazerem comemoração porque a polícia matou algum "dono de boca de fumo"? Eles só podem fazer protesto, caso contrário os demais integrantes da quadrilha de manda no tráfico da comunidade começa a persegui-los e no "pacote" do protesto está incluso dizer que o morto era inocente, trabalhador e que polícia chegou atirando nos inocentes... Será que vocês não sabiam disso?

Como vocês querem que a polícia seja preparada para agir em casos de seqüestro do tipo do ocorrido em Santo André com Eloá, a cabeça de cada pessoa é um universo único. Não existe fórmula perfeita para negociar com pessoas em situação de extremo estresse, pois o que me sensibiliza não é o mesmo que sensibiliza vocês e o que é atrativo para mim pode não ser atrativo pra vocês, da mesma forma um seqüestrador quer uma coisa e como no caso citado não sabia nem o que queria. E com um bando de criticadores de plantão fica mais difícil ainda tomar uma decisão.

Vocês da imprensa são especialistas em fórmulas prontas para fatos consumados. Basta acontecer algo que vocês aparecem com um milhão de formas e fórmulas corretas de se fazer isso ou aquilo, aparecem quinhentos mil especialistas para apontar erros. Mas porque no momento do acontecimento ninguém fez ou falou nada???? Depois que Eloá faleceu aparecem esses especialistas "geniais" para dizer que a policia falhou nesse ou naquele ponto, será que em 100 horas não deu para nenhum deles ensinar a polícia a fórmula mágica de como negociar com um seqüestrador, invadir o apartamento e salvar as duas reféns? Falar depois do acontecimento consumado é fácil. Criticar o técnico de um time ou seleção por ter escalado um jogador ou feito uma substituição ao invés da que vocês julgam ser a mais correta depois do jogo finalizado é mais fácil ainda, afinal, quem entende de futebol são vocês e os técnicos não sabem nem chutar uma bola, certo?

Vocês deveriam criticar mais um órgão chamado de "Direitos Humanos", pois ele é o culpado de ladrão, seqüestrador, traficante, assassino, assaltante de banco, estrupador e similares estarem cheios de direitos após cometerem seus crimes. E “vocês da imprensa” dão a maior força ao pessoal dos Direitos Humanos, não é mesmo?

Na minha “ignorante” opinião, só deveria ter direito quem anda e tem comportamento direito/correto. Vocês deveriam entender que se a polícia teve a infelicidade de acidentalmente matar um inocente a maior parcela de culpa não é da polícia, pois a polícia não fica dando tiro à toa na multidão. Se atirou é porque estava em perseguição a algum meliante , tentando se salvar ou salvar um inocente.

Portanto, não cabe ficar fazendo especulação sobre "se foi Lindembergue que matou Eloá ou foi um disparo feito pela polícia", pois se não fosse o seqüestro não haveria necessidade da intervenção da polícia, portanto a culpa é do meliante.

Da mesma forma que muita gente morre de bala perdida no meio de tiroteio e se atribui isso exclusivamente a polícia. Vocês queriam o que, que a polícia desse a outra face do rosto pra bandido atirar? Somente Gandhi foi capaz de vencer uma guerra sem armas e somente Cristo deu a outra face do rosto para levar outro tapa.

Para polícia conseguir nos proteger, ou pelo menos tentar fazer isso, ela precisa primeiro se manter viva. Já ouviram falar em instinto de sobrevivência? Se para você sobreviver for necessário matar você fará o quê? Mataria ou morreria porque Deus que deu a vida e, portanto só ele pode tirar? Vocês, eu não sei, mas qualquer pessoa normal que quer conservar sua vida faria tudo ao seu alcance para isso, inclusive matar.

Porque não conseguem outros quinhentos mil especialistas com fórmulas mágicas para trazer a paz mundial? Ou para escrever os Best Sellers: “Como negociar com seqüestradores”, “Os dez mandamentos da polícia super-eficiente”, “100 dicas de como invadir uma favela com pleno êxito”, “Como combater o tráfico - Volumes 1, 2, 3 e 4”; “Como prevenir ataques terroristas” e “No rumo certo - Bala-perdida nunca mais”.

O máximo que se pode fazer é analisar fatos passados e traçar linhas de atuação caso essas situações de violência venham a se repetir, mesmo assim, não se pode prever o desenrolar e o desfecho de nenhuma ação, porque na vida real não tem replay e nem segunda chance.

Criticar na TV, rádio, revista e jornal é fácil não é?

Inserida por Rafaelouco