Raissa C.: O brilho dos olhos ficando opaco a chama...

O brilho dos olhos ficando opaco
a chama que ardia em fogueira virando cinza
por debaixo do céu que costumava ser estrelado,
as noites em claro, conversas a fio, risadas, momentos,
declarações de amor
amor juvenil que dava sentido as coisas
amor que fazia sentir
primeiro amor
escorrendo como água no ralo do banheiro
como as lágrimas
partindo como o vento forte que leva pra longe a poeira ruim
me deixa sem chão, sem teto, sem afeto
e o suspiro que um dia me fez ver o belo
sufoca agora, nesse soluço de dor

rosto virado,
corro ao papel, lapiseira, borracha (não vou te apagar)
corro ao retiro, ao canto morto e mudo que não revida
que me mostra em linhas simples e retas como o mundo é de concreto
parede fria na qual encosto meu caderno
e te escrevo essas últimas palavras

Desabafo de que necessito pra te tirar de vez de mim
papel, eterno ouvinte
grafite, eterna ponte

Nunca esquecerei o brilho do dia em que você me disse:
- Oi

tchau.

Inserida por raissa.rbc