Adriano Hungaro: SONETO DOS BEIJOS MOLHADOS DE MALDADE...

SONETO DOS BEIJOS MOLHADOS DE MALDADE

Era uma vez um amor
Que fez da dor sua morada
Um amor que desamou
No desamor de uma estrada

E no desamor fez história
E dela uns mil poemas
De cada poema brotou
Mil lágrimas, dez mil dilemas

E as lágrimas por pura vaidade
Na boca molhada beijaram
Por desamor e maldade

E o beijo por pura maldade
Nas bocas tão doces que esteve
Deixaram salgadas saudades

Inserida por AdrianoHungaro