Stella Fialho: Estou pensando em escrever um livro,...

Estou pensando em escrever um livro, tenho este sonho desde quando era jovem.
No começo queria escrever a respeito das minhas aventuras vividas com grandes amigas, mas acho que hoje posso escrever sobre as dores do mundo, poderia explicar a quem interessasse como é viver em função da felicidade, não que alguém precise ler uma explicação para saber como ser feliz, este sentimento brota de formas diferentes dentro de cada um de nós às vezes efusivas outras apagadas, mas nem por isso deixam de ser felicidade.
Sempre pressupus de que detinha a chave do sucesso, era imbatível, quase mulher maravilha, estava pronta para o que desse e viesse, mas hoje vejo os sentimentos rendidos ao capitalismo, sim, ao capitalismo. Até as emoções no mundo de hoje estão em cotação no mercado da felicidade, já se foi o tempo em que pra ser feliz bastava ser companheiro, hoje vivemos num mercado onde tudo, ainda não é o bastante.
Sérios problemas acontecem quando no mercado inflacionado pelas ofertas começam a desmoronar castelos sólidos, várias princesas vêem ameaçados os seus futuros tronos de rainha, pois os príncipes, encantados com o número assustador de plebéias a se oferecerem no mercado acabam por agir como tolos Bobos da Corte.
Mas o mundo não acaba para as princesas, pois diz o ditado que, quem já foi rainha nunca perde a majestade, mas o problema é, os príncipes em busca de uma nova vida acabam retrocedendo ao pântano e virando grandes sapos bobos.
Já vi sapo virar príncipe, mas nunca imaginei que um príncipe se pusesse a sacrifício para retornar a sapo, devem ser as moscas, que por algum motivo desconhecido se fazem apetitosas, ou quem sabe deve ser a ajuda da bruxa, que por inveja quer a desgraça da vida.
Para as princesas fica aqui um conselho, nunca entregue de uma só vez o saco com todas as moedas de ouro, se não o príncipe logo vai te achar pobre.
Para os príncipes digo que a perda da rainha certa para sentar-se ao lado do seu trono é a destruição do seu reinado.
E para as plebéias ou moscas do pântano enquanto estiverem dançando no salão nobre do palácio, no baile de máscara, não esqueçam nunca de fixarem bem cada uma de suas mascaras, pois sem elas não haveria dança.

Inserida por stellafialho