Luiz Soares Vianna: SONETO (acróstico) Às vezes penso num...

SONETO (acróstico)

Às vezes penso num discreto amigo
Erguendo as mãos a indicar-me a estrada,
Lembrando de minha alma abandonada,
Vem dar-me a sorte de encontrar contigo.

Irei assim, seguindo sem abrigo,
Na esperança de só te ver, mais nada;
A sombra que me segue na jornada
Oculta a tua imagem quando eu sigo!

Feliz, no entanto, se encontrar-te um dia
Enfeitiçada por cruel magia,
Representando a esfinge do oriente!

Então, eu pediria ao meu destino:
Conceder-me esse dom, também divino,
E ser petrificado eternamente.

Inserida por Mesteves