MILÔR FERNANDES: A QUEDA MILÔR FERNANDES “Um tombo, um...

A QUEDA

MILÔR FERNANDES

“Um tombo, um deslize físico, um salto no espaço,
e está em toda a divulgação do mundo sem fronteiras”.

É terrível cair.
Não é apenas o orgulho que cai
Quando caímos
Mas toda a segurança interior
Equilíbrio de cérebro e pessoa.
Caindo nos perdemos;
E alguma coisa
Fica lá, em toda queda.
Algo irrecuperável,
Alguma perda total e absoluta
Para sempre e um dia.
Alguma perda total e absoluta
Para sempre e um dia.
Parte de um todo nosso, interior
Jamais recuperado.
Caímos e jamais nos levantamos
Outra vez os mesmos.
Tudo que é vivo teme a queda,
Vive em função da queda que virá,
Fatal.
Diminuímos o efeito da queda
Pela espera da queda
E chamando-a de outros nomes:
Tropeção (que é semiqueda),
Trambolhão (que é quase queda)
Esparramar (que é queda e meia)
Despencar (que é grande queda)
Eufemismo tudo para o efeito
Único, moral e contudente
Da palavra sinistra,
Fato e fator,
Acontecimento físico e metafísico.
OS QUE JÁ CAÍRAM, AH!

No paraíso, na rua, na História,
Na escada.
Caiu Humpty Dumpty
Na aventura de Alice.
Caiu a própria Alice.
Caiu a mãe de Hamlet,
Caem as folhas no outono,
Mais triste quando cai à tarde.

E depois do primeiro homem
E da primeira mulher
Todos os grandes caem
Em seu dia e hora.
Caiu Saul, e Jonas, e Golias,
E também os muros que cercavam
Os poderosos donos de Jericó.
Caiu Tróia e caíram os romanos.
Lúcifer levou nove demorados dias
Em sua assustadora queda,
A mais profunda queda registrada.
Há grandeza nos homens que caem,
Não se respeitam, porém as decaídas,
Mas ambos ocupam o mesmo lugar
Na composição eterna da caída
Humana.
A gravidade é a negação da vida
Desde a invenção dos tempos.

Inserida por Anjocacheado