Simples vento: Já roubei detalhes amorosos de livros e...

Já roubei detalhes amorosos de livros e os usei descaradamente nos alicerces de algumas paixões.
Não estou sozinho nessa "rapinagem" de cenários onde tudo é intenso, suado, perfeitamente caótico e definitivamente sem sentido..assim são as paixões...rosas roubadas, beijos roubados, mudança de sentido do tempo e uma febre estranha: um aviso!
O chico , num trecho do seu ótimo "Budapeste", descreve como o alemão escreveu no corpo de teresa, ele nos conta: "No princípio ela até gostou, ficou lisonjeada quando eu lhe disse estava escrevendo um livro nela. Depois deu para ter ciúmes, deu para me recusar seu corpo disse que eu só a procurava a fim de escrever nela, e o livro já ia pelo sétimo capítulo quando ela me abandonou."
Esse detalhe foi roubado de Garcia Marques, onde lá pelas tantas Florentino Ariza, personagem central do fantástico "o amor nos tempos do cólera" escreve no corpo de uma de suas mulheres e ela adora cada letra desenhada em sua barriga.
O conselho da vida a todos é claro:
Roubem...descaradamente se apropriem de idéias indecentemente amorosas de outras pessoas. Copiem, melhorem, invertam mas não tenham pudor de plagiar - dizer que é sua, a idéia daquela carta: uma escritura onde você doa metade de suas horas para faze-la(o) feliz.
Precisamos, e assim nos ensina a vida, libertar aquela pessoa que pula cercas pra roubar rosas, libertar aquela pessoa que chora vendo a brincadeira do vento levantando uma folha seca: por entender que ele escolheu aquele momento para nos tornar seu espectador privilegiado. Precisamos simplificar nossas palavras, nossos olhares, nossos gestos...por isso precisamos aprender a roubar os detalhes amorosos de quem tem amor.

Inserida por loboromantico