Paulo Moreira: QUANDO O CORAÇÃO APRENDE A FALAR...

QUANDO O CORAÇÃO APRENDE A FALAR


Homens não sabem falar. Sofrem por não saber dizer. Ao menos aparentemente, nada sabem dizer. Vivem de símbolos. Poder, domínio, jugo, são símbolos pelos quais, em geral, somos vistos.
As mulheres nos apontam, a grosso modo, como infantis, diretos demais e até um pouco negligentes no amor. Será que é assim? Lógica é uma coisa tipicamente masculina, dizem. Qual seria a lógica desses seres que parecem totalmente insensíveis?
Gostaria de tentar dizer, olhando nos olhos de uma mulher.
O homem é grato por natureza. Ele sabe o útero materno que o acolheu; sabe também do calor da primeira mulher que lhe ensinou o amor. E por toda a vida, deve levar isso. Sabe também que amor e gratidão não se misturam; assim, reverencia cada mulher, por enxergar em cada uma a dignidade de todas.
Alguém já disse que procuramos mães. Engano! Procuramos um amor que seja maior que nós mesmos. Até para que a vida tenha sentido. Mas, muitas vezes não sabemos expressar ou pouco sabemos.
Escondemo-nos em nossa fortaleza pelo fato de não conseguir expor. Criamos imagens, que nem por todas as mulheres são entendidas. Talvez até para nós mesmos seja um tanto difícil.
Possuimos o desejo de ser grande ou possuir algo mais, que - se não falamos - queremos mostrar ou insinuar que seja. Dificuldade de entender que a fragilidade faz parte da delicadeza da relação. Nosso pensar, às vezes, é surreal. Medo de ser comparado
Homem é como criança sem domínio sobre a fala; quer dizer de uma estranha maneira que é muito mais do que suas palavras conseguem. Sonha com o aprendizado junto da mulher que o leva além de si mesmo.
Enxerga sua importância para a mulher, querendo ser o que mais plenamente lhe ocupa os espaços, numa linguagem que utiliza seus corpos, mas avança muito além. Essa é sua verdadeira busca. A de ser o amor maior.
Aquele que faz de cada toque, uma cura. De cada estar junto, o dia mais feliz que já existiu. O que faz sua cúmplice vibrar em sua grandeza de mulher. Um certo orgulho de acreditar que seja o único capaz de levá-la à mais que total entrega - a um êxtase de felicidade próximo da implosão.
Um homem não apenas adentra um corpo de mulher. Mora nele. Faz dele seu porto e templo. Passa a ser o pulsar do coração que o abriga. E todos os homens sabem disso - absolutamente todos. É nato do ser homem!
Homens são águias. Pensam ser donos por direito natural. Mesmo sabendo injusto - em sua inocência - agem assim. Mas, só até perceberem que o céu é maior que seus olhos.
Sempre deixam sua presença. De uma forma ou de outra. Uma essência sua fica em cada entrega. A certeza de esperança, de vida. Luz que não se explica – um halo
Quando ama verdadeiramente, o homem deixa sua marca. E sabe quando isso acontece. Agradece em silêncio à sua fada de luz, todo o bem de cada instante compartilhado. Sem que, muitas vezes, essa mulher perceba, devolve de uma forma só sua, o amor que o recebe e o faz tão humano.
Pressente quando é chegado o tempo de dois se tornarem um só. Consegue assim, o que parecia impossível. Envergonhado com a nudez de seu espírito perante a parceira, com os olhos pregados no horizonte, balbucia baixinho:
- Amo você...

Inserida por PauloMoreira