Paula Fernandes e Sousa: Adoro aquele que não posso amar....

Adoro aquele que não posso amar. Apaixonei-me sem querer, mas sigo com ele porque decidi aproveitar a beleza de momentos mágicos onde somos um só. Já não tenho receio que não dure, ou que não haja juras de amor eterno. Não quero falar de futuro. Vivo apenas ao som dos ponteiros do relógio, esperando por dias diferentes, com ele ou sozinha, não importa, desde que esteja feliz. De que adianta esperar por acções que talvez nunca aconteçam? Ou por situações que nunca cheguem? A culpa não chama por mim e a consciência é minha cúmplice na luta que travo com ele. Pergunto-me todos os dias porque continuo a desejar ardentemente aqueles beijos em que ele me barra o ar e me faz sentir especial. Detesto todas as despedidas, e tenho sempre medo que seja a última oportunidade para sentir aqueles abraços no meu contorno. Estremeço se pensar que vamos acabar por compreender a dimensão do desacerto que estamos a praticar connosco, e com terceiros. Permaneço inquieta, à espera de um indício dos meus escrúpulos, que parecem não viver no léxico do que vivo com ele. Todos os ensejos são especiais, únicos e incomparáveis. Não nos absorvemos por nada ou por alguém, nem esperamos nada um do outro. Realizamos a nossa peça normalmente, como se tudo fosse perfeito. Talvez seja, e a única imperfeição seja criada por nós. Agora, depois e após, sinto um temor exíguo, uma angustia que não esgota e estou a deprecar, com toda a energia, para que tudo corra bem. Para que ele volte seguro para mim, não para sempre, mas até o sentimento resistir. Não sou dele, mas também não pertenço a ninguém. Sou apenas quem sempre fui, na luta de uma paixão constante e verdadeira. Não posso pensar que o quero, que é a pessoa perfeita por quem sempre esperei. Seguirei apenas, o caminho que me esta desenhado, talvez ele queira caminhar a meu lado…

Inserida por NinjaSan