Desconhecido: CLAMOR PELA VIDA A noite veio mais...

CLAMOR PELA VIDA
A noite veio mais rápida. Não vi o sol se pôr com todo seu aparato como eu o via todos os dias, pois a chuva, a finíssima chuva que durante todos os dias molhou o solo, não nos permitiu distinguir o astro que partiu ao entardecer, tampouco aqueles que viriam alegrar a noite. Está escuro, pouco vejo à minha frente. Dentro de mim se confundem a noite com o dia que não mais há; o concreto com o abstrato, a crença com ateísmo. Não tenho muita noção do que se passa à minha volta, nem eles, apenas sei que mergulho sem destino, num mundo que não existe. Sei apenas que a chuva continua, pois a sinto escorrer em meu corpo, como tentando despertar-me do sonho profundo. Em minha mente ressurgem momentos de alegria, mas de tristeza mais ainda. Não sei se realmente os estou relembrando ou se são criações do meu subconsciente. Sei apenas que tudo se passa em minha mente como se há segundos houvessem acontecido.
Vejo gente que se debatem contra suas mentes retardadas, tentando libertar-se para um mundo diferente onde haja vida e inexista a pouca esperança do homem. Vejo vidas em chamas debatendo-se em busca da permanência, esboçarem sentimentos de dor e agonia, na esperança de refortalecimento da vida e nada conseguirem.
A garoa continua a inundar-me a face. Escorrem-me pingos d’agua, talvez com eles deslizem as gotas de lágrima da minha dor. Ou alegria? ! Não sei. Tudo é confuso. Sinto medo. De quê? Não sei. De enlouquecer talvez. Sim enlouquecer em meios aos meus pensamentos que, às vezes, se tornam diabólicos e não permitem à minha mente controlá-los. Volto a pensar, relembrar ou sonhar, quem sabe....
Vejo com isso, mais uma vez na minha vida, o enorme desejo do homem de viver, de sugar até a última gota de vida. Vejo a fé negando que cada minuto de vida seja sempre menos.
Tenho a impressão de acordar. Sim, de fato desperto do mundo de sonhos que havia arrebatado. Passo, depois, a refletir sobre o que sonhei. Traduzo para mim mesmo, em linguagem real, e compreendendo que tudo não assa do amor e carinho que deixamos de oferecer ao próximo cada vez mais distante e sedento de humanidade.

Inserida por romaneli