Patricia Antoniete: Sou obscena. Meus quereres são...

Sou obscena.
Meus quereres são pequenos, e tão plenos, que absolutos.
Absolutizam-me a mim e a quem se deixa apanhar no dourado puçá do sonho que não é promessa: vislumbre.
Quando quero, quero o meu.
O meu cada vez mais meu, o meu tão meu que já não me pertence, alheou-se de tanto doar-se e virou-se no avesso de si mesmo.
Assim o quero, tripa e entranha, todas as infinitas e estranhas nuances e processos internos, brilhando opalescentes, jóias orgulhosas sob a luz do sol.
Sorrio condescendente após a emulação do desvelo.
Nada se desvenda, tudo é secreto.
Quanto mais exposto, menos se vê.
Contemplo.
E não quero respostas.

Inserida por Arianemg