André Lemos: Às vezes quando o sol começa a se...

Às vezes quando o sol começa a se pôr,
Vou até a minha varanda
E fico esperando o espetáculo do céu.
Encosto os meus braços e inclino minha coluna.
Deixo meus olhos irem encontrar o infinito
Nesse momento nada me distraí
Concentro-me nas cores que se formam.
Sinto vontade de caminhar sobre as nuvens,
Para ir de encontro ao sol.
Vou suplicar para ir embora,
Quero ser um raio de sol,
Para iluminar aqueles que precisam de luz.

Queria apenas sentir o seu calor e fugir de toda essa dor. Os amores que me deparei, não me permitiram perceber as belezas do mundo. O sol é sempre o sol, mesmo que não possamos vê-lo por estar protegido pelos seus raios, capaz até de impedir de vermos o resto do mundo. Isso me faz acreditar que sua beleza é protegida dos homens que não sabem admirar. Estrela única, nunca mostre a sua verdadeira beleza.
Os homens são capazes de ver a lua por estarem na escuridão de suas cavernas. Sei que o sol ilumina a lua é a lua ilumina a noite. A lua que é cortejada pelos poetas e solitários. A noite é tão importante quanto o dia, é de noite que o mundo floresce. E a noite que nos obriga fechar os olhos, ela diz que precisamos dormir. Agora temos lâmpadas, com isso muitos homens se esqueceram da lua que por tantos anos iluminou a terra. Sei que a lua me ilumina, em troca posso apenas admira-la. Os homens produziram uma nova luz, ameaçando o equilíbrio da natureza.
A noite foi feita para dormir, mas o capitalismo necessita do nosso trabalho, agora os homens ditam a hora do mundo. Diante tudo isso, qual a necessidade da lua para o mundo? A lua ilumina noite sem nada nos cobrar, os homens com suas lâmpadas gastam a água do mundo é só agora perceberam que um dia irá acabar. Os homens pensam que o mundo está próximo do fim, esse humanismo me faz rir, a natureza sabe que é o fim da humanidade que está próximo.


www. loucuraintelectualizada. blogspot. com

Inserida por andrelemosv