Paulo Master: Quem inventou o amor? Todo aquele amor...

Quem inventou o amor?

Todo aquele amor veio de novo me atormentar, me fazer sorrir, me fazer chorar, me fazer sentir o frio fino e seco do amor, me fazer te amar com prazer, com meu ardor, sentir o teu desprezo te amando sem pudor.
Singela é a razão que como sopro de esperança me deixa seu perfume que assume a minha vida sem a herança que desse amor sou eu merecedor, coração que as vezes sei lá, cobra-me coisas sem ao menos se dar, ou dá conta que o amor renasceu, um amor que em mim nunca morreu.
Pode vir, venha trazendo de novo tudo o que um dia me fez feliz, deixando em minha face a felicidade, a alegria de viver, viver um amor que se fez sem sentido e no sentido da dor que se fez saudade, o meu prêmio na verdade foi o seu existir, e o meu coração veio a dor do amor sentir.
E nas curvas do seu corpo encontrei o meu caminho, uma guarita, como se encontrasse a saída para o desespero, tenho medo, sinto sede, sede de você, uma rede onde não consigo me desprender, e a cada dia que passa mais desprezo esse sofrer.
Tenho o receio de você, como um menino que carrega seu destino, mas não sabe ao certo por onde começar, não sei como te negar nem por onde te alçar, você está nos meus sonhos e se faz realidade, vivo do seu lado e morrendo de saudade, um caminho sem volta num amor com castidade.
Será que foi saudade, ou um pingo da maldade que te fez voltar, ou seria o tão limpo e claro gosto do querer, um querer que assume a vida da gente e transforma o espinho em flor, me diga por favor, quem inventou o amor?

Inserida por Paulo-Santana