Paulo Master: O Jardim das borboletas O coração se...

O Jardim das borboletas

O coração se prepara para amar, a alma já está toda arrumada e o entusiasmo é que dá o ritmo do momento.
Como seria bom se as coisas fossem assim.
Se toda vez que viesse um amor pudéssemos estar preparados para ele, de corpo alma e coração!
A vida não pode ser comparada a um jardim, o coração sim.
O nosso coração é comparado a um jardim de borboletas, que no encanto dos movimentos do amor, o embalo das paixões se compara ao vôo maravilhoso de uma borboleta.
Como ignorar uma visão que no encanto do amor se faz presente, e deixar de admirar o belo e harmonioso poema que existe no suave bater de asas de uma borboleta?
Se nos jardins da vida pode ocorrer a presença de hervas daninhas, com o coração acontece o mesmo, uma vez se não for cuidado, o coração pode ser afetado pela desilusão que se torna um presente de grego!
Por sua vez, nos jardins das borboletas acontece diferente, corre-se o risco de ficar somente com o jardim, porque as borboletas podem sentir falta da beleza e ir embora.
Um coração que se mostra sem a beleza dos sentimentos que lhe volta para o amor, fica obscuro e nele vêm habitar criaturas da escuridão, nunca borboletas.
Sendo que para se mostrar realmente voltado para as coisas do bem e do amor na verdade, haveria de existir nesse coração raízes que sejam do seu instinto e o lançam para o seu interior o lado bom e divino de Deus.
Igual as borboletas que carregam consigo o dever de serem belas e diante de sua formosura tem a obrigação de encantar até os mais ávidos corações, e no intuito de fazer o belo, ainda habitam nos nossos jardins, e com a pureza de uma criatura de Deus, vem transmitir a paz com seu jeito angelical.
Na minha face se encontra o sorriso satisfeito de saber que estou reparando o meu jardim, e reparando a minha morada, para que nunca seja abandonada pelas belas borboletas que enfeitam os jardins da minha vida!

Inserida por Paulo-Santana