Ana Beatriz Figueiredo Mota: “As coisas mais mesquinhas enchem de...

“As coisas mais mesquinhas enchem de orgulho os indivíduos baixos.”
William Shakespeare

Considero Shakespeare um notável e impressionante pensador. Não só transformou mentes, encheu corações, mas fez transbordar reticências naqueles que se diziam, ou que ainda se dizem, “nobres”.
Sociedade para ele era símbolo do que poderia ser mudado de acordo com as reações humanas, e evidentemente foi feito assim, mas mudaram-na para pior.
A frase acima expressa com veemência o que não pode ser dito por muitos, nos dias atuais, à pessoas que nos circundam, expelindo suas tristes e pesadas frustrações. Conseguem com isso tornar nossos dias, até então normais, tão entediantes quanto suas vidas e seus pensamentos negativos e mesquinhos.
Não medem esforços para buscar mais peso às suas mazelas mentais: fazem intrigas, arrendam para suas tristes almas injúrias e mentiras, projetam enredos enfadonhos e fantasiosos sobre outros que, muitas vezes, estão apenas cuidando de seus afazeres e seguindo suas vidas. Enfim, se degradam, dia após dia, em pensamentos soberbos, vulgares e doentios.
Não seria ainda pior se algumas destas não provassem do pseudocálice do poder e da arrogância. Menosprezam as pessoas e se consideram superiores, muitas vezes, porque consideram que seus pobres e bastardos “títulos” ou “brasões” ( se é que isso ainda existe nos dias atuais) lhe conferem poderes, autoridade e ímpetos divinos.
Seguem seus maléficos e venenosos caminhos por algum tempo, prejudicando pessoas ingênuas, passando por cima de algumas que consideram “pequenas” e “boas demais para reagirem, mas não imaginam que ainda possam existir aqueles com alma limpa e revolucionária, dispostas a lutar para que suas vidas e as daqueles ao seu redor não sejam maculadas por tanta mesquinhez e injustiça.
Ainda há sim pessoas com coragem suficiente para segurarem a lança dos que se dizem “poderosos”, sem medo de hierarquias e soberanias diversas, que enfrentam chantagens de toda e qualquer espécie, que não se importam de lutar, de cair algumas vezes, mas nunca sujarem suas almas com os resquícios “imundos” dos “grandes senhores”.
Se todos os guerreiros se unissem, pelo menos em coração e espírito, tenho certeza que o mundo seria realmente melhor. Mas ainda falta descobrir, dentro de nós mesmos, onde mora esse espírito que tem o poder de mover gigantes estruturas e de lutar com a força do amor e da igualdade humana.
Quem sabe se abandonássemos certos “pré-conceitos”, se nos eximíssemos de valores arcaicos e pobres, se confiássemos mais em nossa força interior e no único e verdadeiro poder do mundo: a fé ao amor de Deus!

Vamos lutar sempre, sem medo ou anseios, contra aqueles que lançam “maus” sentimentos e pensamentos sobre nossas vidas, contra aqueles que tentam escurecer nossos maravilhosos dias, contra todo e qualquer espírito de inveja, ambição e humilhação desmedidas.

Inserida por annaresena