Maira Motta: Antagonismo Quando minha ausência se...

Antagonismo

Quando minha ausência se fez a ti presente;
e do vazio uma completude estranha rompeu.
Tua presença levou embora minha ausência;
Semeando orquídeas pelo caminho
de pântanos alagados e sombrios.
Levou embora minha ausência
trazendo sem ela a nitidez;
Um feixe de luz distribuída
numa exata proporção à escuridão presente.
Sem esta minha ausência,
sol e lua se encontraram;
Dia e noite se fundiram;
Já não eram mais os mesmos;
Já não éramos mais os mesmos,
minha ausência e tua presença!
E assim: amanhecemos, entardecemos e anoitecemos...
em um tempo único!
Não se sabe mais o que é carência,
o que é desejo e o que é vontade!
O pensamento em ti, a presença em ti,
já não estão ausentes!
Lanço-me neste tempo colorido.
Nesta mistura de cores
que entre manhã, tarde e noite
rompe no horizonte.
E assim trancafio a tirana razão
no calabouço
de seus castelos lógicos,
castelos humanos, calculados;
que há muito se instruiu ...
e sigo assim...
pois levastes embora minha ausência...
sigo sem distinguir os opostos...
pois sempre haverá apenas duas direções
em tua presença!

Inserida por mai.motta