Henrique: Consigo tirar sabor do que escrevo Um...

Consigo tirar sabor do que escrevo
Um paladar que desconheço
Mas tempero pelo que tenho esperado
Para o saborear á mesa das verdades
Os minutos que já não guardo
São consumidos por um tempo
Cada vez mais e mais faminto
Nesta caminhada sem distância
Catalogada por inércia sem datas
Como água dura em pedra mole
Depositada num oásis por inventar
Arquitectado no pátio dos desejos
Sou um sol que arde de paixão
Sem lua feita por uma mulher
E persigo-me até um novo eclipse
De uma solidão sem sombra
Á boleia de uma luz que assinala
A direcção ao meu propósito
Que o destino me entrega á alma
E devolve o tempo perdido
Mas que nunca terá sido em vão

Inserida por tincuink