Arturo Angelin: O ÚLTIMO BANCO DO JARDIM Às vezes por...

O ÚLTIMO BANCO DO JARDIM

Às vezes por mais interessante que a vida pareça,você não vê mais sentido nela, você está sentando em um banco de um jardim e observa a todas as pessoas que o cercam naquele momento, uns brincam com seus filhos, outros tem seus amores para cuidar, outros só estão de passagem por aquele lugar e outros estão como você, observado a melancolia da vida em certos momentos, você não tem nada a dizer a ninguém, seus ombros estão caídos como se você não tivesse força suficiente para erguê-los, sua boca está entreaberta, parecendo um morto vivo sem esperanças de renascer do sono profundo, mas você ainda está vivo, embora não se sinta assim, poderiam explodir mais uma vez a bomba de Hiroshima que você não se levantaria daquele lugar, e porque? Bom, é por isso que estou sentado nessa banco, não quero que a vida me dê as respostas, mas quero e preciso urgentemente que ela me indique o caminho, para que eu mesmo possa consegui-las, ou então, jamais me levantarei, permanecerei aqui até que meu corpo se canse ou que ele desfaleça por si só, e será sempre assim, rodeado de vida, de pessoas com seus filhos e de pessoas que amam, e algumas que só passarão por aqui.
Esse jardim na verdade é minha vida exemplificada da forma mais simples que pude encontrar, das pessoas que vejo, algumas conheço, outras não, o banco ainda não sei o que significa, imaginei a princípio que fosse um ponto de parada, onde eu pudesse descansar e retomar novamente a caminhada, mas não vejo outros bancos no meu jardim, mesmo aqueles por qual já parei, agora então, começo a achar que esse banco é na verdade o meu ponto final, o meu descanso quase que eterno.
Sei que ainda tenho alternativas, mas por enquanto prefiro ficar sentado aqui e apenas observar o meu jardim.

Inserida por arturoangelin