Ricardo Gondim: O futuro não obedece a trilhos chamados...

O futuro não obedece a trilhos chamados de destino, fatalismo ou fortuna. Caso acabassem os riscos, os perigos e as incertezas da vida, os humanos se condenariam a engatinhar em pequenas gaiolas, feito leões de zoológico.

A carência dos indefesos, dos tristes, dos perdidos, dos doentes, dos idosos, tem primazia sobre qualquer programação; a pertinência das ideologias e religiões depende de promoverem a vida. Dogmas institucionais nada valem se não buscarem resgatar a dignidade dos pobres.

Amor só é verdadeiro quando não usa coerção ou suborno para concretizar-se . Amam-se os que se respeitam e admiram. Para amar é preciso fragilizar-se, expor-se tanto à dor como à alegria. Tristeza e felicidade se ligam proporcionalmente ao tamanho do amor.

Quem age com misericórdia não cobra transformação, mas ousa mudar. Misericórdia suspende qualquer punição merecida sem exigir mérito. Graça dá o que o outro não merece; misericórdia, ao contrário, não dá o que o outro merece.

Os processos de maturidade acontecem sem flagelos; só quem se sente amado tem segurança para humanizar-se. Quem não sabe lidar com as suas sombras e luzes vive em negação. Tropeçar, falhar, cair, falir, são verbos conjugáveis. Só os hipócritas procuram se convencer de que alcançaram a perfeição. Nenhum Pai amoroso é implacável com as inadequações dos filhos. Soli Deo Gloria.

Inserida por samiferraz