Deme Cesso: POESIA NO TEMPO DA ETERNIDADE P or entre...

POESIA NO TEMPO DA ETERNIDADE

P or entre tempos de muito tempo
O s versos viajam levando nas entrelinhas
E stórias, histórias e palavras outras
S oando no fundo e no raso dos corações
I mponentes vozes de grande alcance
A s ordens superiores, desconhecidas da razão
N uma velocidade que só as estrelas acompanham
O stenta em seu bojo: passado, presente e futuro
T ratado de incontáveis gerações
E sculpida pelo dedo da eternidade
M antra sagrado da reunião dos deuses
P enetra fundo o vácuo infinito
O lhando e rindo da inquietação planetária.

Driblando as marcas dos caminhantes
Afligindo de pressa os que não querem chegar
Eterniza as forças dos vencedores
Tratando com fraquezas os fortes guerreiros
Esvazia o calor das quentes fornalhas
Rompe nas madrugadas os pensamentos
Núbios, dúbios de vacilantes desocupados
Incandeia no escuro a alegria contida
Dos desejos que a penumbra oferece
Aos que na luz os mantém presos
Dando asas às glórias dos desejos tolhidos
Esvaziando a cela da prisão dos amores

Inserida por Braguinha